Sete Histórias Assombradas com o Saci Pererê

maxresdefault

Dizem os folcloristas que o Saci é fã do número sete. Tanto que, em algumas versões, conta-se que o duende brasileiro nasce do estalar do sétimo gomo do taquaruçu. Lá o saci se desenvolve durante sete anos e parte para aprontar suas estripulias durante 77 anos até morrer de velhice e se transformar em orelha de pau.

Se o diabinho gosta tanto assim deste número, deve adorar o fato de que o canal Assombrado já possui sete relatos de ouvintes compartilhando suas experiências com sacis. Capitaneado por Mateus Fornazari e sua esposa Ana Paula Lazarini, de São José do Rio Preto/SP, o canal foi criado para ser o braço do blog de mesmo nome – que desde 2013 compartilha e organiza histórias assombrosas pela rede. Narrativas sobre o inexplicável e o sobrenatural que permeiam a vida dos brasileiros são o foco do canal, que já conta com mais de 1,2 milhão de inscritos e 181 milhões de visualizações.

Não vou mentir. Eu particularmente não sou fã do canal e tenho dificuldade para assistir os vídeos até o fim. As histórias nunca consegue me envolver, principalmente pelo modo como são contadas. Normalmente as narrativas enviadas pelos leitores não aconteceram com eles, mas com algum amigo ou familiar. O que ocorre é que temos então o relato de um terceiro falando sobre um terceiro, o que confunde a apresentadora (“Ele, quer dizer ela, ou melhor a a vó do moço que enviou”). Intrusões de som de TV, gente cantando ou barulho de carro de som na rua que a edição escolhe manter também colaboram para me tirar do clima.

Ainda assim, é inegável que o Assombrado é um espaço muito importante para quem curte esse tipo de história e grande fonte de inspiração para quem quer mergulhar na cultura popular brasileira. Nesta postagem, separamos alguns todos os vídeos onde o assunto saci é tratado, acompanhados de um pequeno resumo da história. Recomendo assistir ao menos o primeiro, de apresentação, com informações muito interessantes sobre nosso mito favorito.

Confiram!

O Saci: Origem, tipos, comportamento, como se proteger, relatos…

Com base no livro Brasil no Folclore, de José Ribeiro, o vídeo fala sobre diversos tipos de saci. Entre eles o Saci Teterê, uma criatura com barba de bode, mãos furadas e poder de sedução com a qual atrai as mulheres. Ensinam também um modo de se livrar do saci: basta bater um machado no chão, olhando para o sol, e entoar uma benção. O saci ficará preso ao solo e não poderá escapar. Há ainda o feitiço para que o saci devolve o que foi perdido. Bastante informativo!

#1 Eu corri do Saci

De féria em Serra Grande, na Bahia, um jovem descobre que o saci anda assombrando a fazenda do tio. Um dia, ao ficar preso em um atoleiro durante a chuva, acaba se deparando com uma terrível criatura que ria igual um demônio. O saci era grande, com 2 metros e meio de altura, pele escamosa e olhos como fogo. Foram muitos anos de terapia para superar o acontecido.

# 2 Meu tio avô recebeu a visita do Saci

Menino encapetado de 9 anos de idade se assusta ao ver um saci em sua janela. No dia seguinte, a família vai conferir e encontram uma trilha de pegadas de um pé só que levam até a mata. Na busca pelo saci, descobrem que os cavalos da fazenda foram amarrados uns aos outros pela crina e pelo rabo.

#3 O saci do crochê

Mulher que fazia crochê como passatempo em sua loja do Shopping tem uma desagradável surpresa. Ela percebe que, mesmo em uma gaveta trancada, o saci continua dando nós em sua lã.

#4 Criação de sacis

Em Orlândia/SP, garoto conhece um velho criador de sacis. Tempos depois, recebe dele uma gaiola com instruções de como criar um casal dos duendes, a base de muita água, verdura e doce de leite. Depois de seis meses de cuidado ele os solta na mata, recebendo um belo agradecimento da sacizada.

#5 Será realizade? O saci existe?

Homem tinha o costume de xingar a mulher de saci. Um dia, no meio da noite, a mulher acorda e vê o saci carregando o marido nas costas. Ela grita tão alto que o duende desaparece, fazendo o homem acordar já caindo no chão.

#6 Tinha um monte de saci na sala

Aos 8 anos de idade, o menino dormia no sofá de sua casa, no Paraná. Lá pelo meio da noite acorda e vê com o canto do olho quase uma dezena de sacis espalhados pela sala, conversando como se aquela fosse uma convenção. Com medo, correu para o quarto da mãe. Quando voltaram, a sala estava toda revirada.

#7 Trançado e com nó

Quando era criança, Vanessa duvidava da existência do saci. Até que uma noite, em 31 de outubro de 2004, dormiu um sono muito gostoso em seu quarto trancado. Quando acordou, havia uma trança muito bem feita em seu cabelo e a menina teve certeza que o saci havia visitado seu quarto.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s