[Poesia] O Saci – Procópio Silvestre

Saci 3

Por Procópio Silvestre

Já noite velha, à beira da lagoa
Em que habita, a mãe d’água se penteia,
E canta, e sua voz ao longe ecoa
Como a esplêndida voz de uma sereia.

Mas é em vão que o cabelo aformoseia
Mas é em vão que o penteado aperfeiçoa
Porque um ente, a que apraz a grita alheia
O desfaz sem que dela se condoa.

E ela, vendo, já em cólera, perdido
O seu longo trabalho, interrompido,
Lança-se n’água. E então de entre os refolhos

Das sebes marginais, tênue se eleva
Um riso frouxo e mal contido, e os olhos
Do Saci Pererê chispam na treva.

(Em LOBATO, Monteiro. O saci-pererê; resultado de um inquérito. São Paulo: Globo, 2008. p.319)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s