O Canto da Acauã

Por Andriolli Costa

Nunca vi a chácara tão silenciosa como no dia seguinte ao enterro do meu avô. O entardecer costumava ser a hora da revoada das araras, quando a passarada fazia o maior piseiro disputando mamão ainda no pé. Naquele dia, a tarde foi muda. Parecia que era a voz de trovão do velho Oliveira que trazia o bicharedo pra perto.

A gente estava sentado em silêncio na varanda, encarando o horizonte infinito do cerrado, quando começou o canto. “Deus quer um! Deus quer um!”. Minha avó levantou com raiva e começou a benzer a casa, ralhando com a ave e expulsando ela dali. Quis saber o motivo.

— É a acauã. Ave de mau agouro… Traz a morte e a seca. Cantou muito por aqui antes do velho morrer.

Levantei e ajudei com o sinal da cruz. Vá embora acauã… A morte já visitou essa casa. Que seu canto não se faça ouvir por aqui tão cedo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s