[Clipping] Os Filhos do Pequi

arroz-com-frango-e-pequi-35072

Por Jean Marconi
Publicado na Revista Overmundo #4 com o título “Ouro do Sertão”

Certa vez catamos o suficiente pra encher um porta-malas de um Fiat 400l. Comemos pequi até “enfarar”, como dizem lá no norte de Minas. Assim como outros frutos do cerrado, de alguns anos para cá o pequi tem sido cada vez mais valorizado.

Pesquisadores descobriram suas propriedades nutricionais e chefes de cozinha têm “usado e abusado” dele como ingrediente para o preparo das mais variadas receitas. Mas, para os povos dos sertões e das veredas, ele jamais perdeu seu valor. O pequi é o verdadeiro ouro do sertão.

Não acredite em quem diz que o cheiro do pequi é forte, enjoativo; é preciso experimentar para realmente conhecer. Não tente se convencer que é bom, se deixe ser convencido. Este é o Caryocar brasiliensis, mais que um vegetal, um símbolo de cultura, persistência e tradição de um povo.

No livro Cerrado: espécies vegetais úteis, os autores dedicam sete páginas ao pequi (também conhecido como piqui, piquiá ou piqui-do-cerrado), discorrendo sobre sua ocorrência, distribuição, floração, botânica, uso, entre outros. Pode ser consumido com arroz, feijão, galinha, ou batido com leite e açúcar. Seu uso medicinal tem efeito tonificante, sendo usado contra bronquites, gripes e resfriados, é expectorante, e o chá de suas folhas é tido como regulador do fluxo menstrual.

Mas o pequi é mais que isso!

pequi_fotoHá histórias de crianças “filhas do pequi” – aquelas que nascem exatamente nove meses após a temporada do fruto, pois ele é tido também como afrodisíaco. Lamber chapéu de couro é a única alternativa para retirar seus espinhos da língua daqueles mais descuidados. Conta-se também que as índias esfregavam o fruto nas partes íntimas para evitar que seus companheiros as procurassem (algo que não devia adiantar muito porque, para quem gosta, o aroma do pequi é irresistível).

O pequizeiro é árvore robusta e sua flor é de excepcional beleza. Seu sabor é único (assim como o é o do buriti e o do jatobá, entre outros), não há fruta que se possa comparar. O pequi deve ser colhido no chão, sinal de que está no ponto; se for colhido ainda no pé, ele não amadurece e prejudica a próxima safra daquela árvore. E catar pequi não é uma tarefa leve, por mais simples que possa parecer o ato de se agachar para pegar fruta do chão. Você abaixa, pega, e levanta; abaixa, recolhe, levanta, abaixa, cata e levanta tantas vezes que haja coluna e joelho pra aguentar!

A casca é dura; por dentro, às vezes um, dois ou quatro frutos amarelos, carnudos. Dizem que o nome vem do tupi e significaria “pele espinhenta”. Se morder já era! – milhares de espinhos minúsculos que recobrem o caroço vão encher sua boca e língua. Tem que raspar com os dentes, roer mesmo. E depois de roído, você ainda pode colocar ao sol para secar, abrir o caroço e comer a amêndoa, que, em certos lugares, chamam de “bala”.

Muita gente congela o fruto para ser consumido ao longo do ano, mas ainda não chegaram a um consenso se ele preserva mais o sabor e maciez sendo congelado depois de cozido ou in natura. Por ser muito apreciado na região Centro-Oeste e em estados adjacentes, vários municípios já realizam uma festa em celebração ao pequi, uma maneira de agradecer à dádiva deste fruto da savana brasileira. Começando por Minas, podemos ir a Montes Claros, que já vai pra 21ª Festa do Pequi. Indo para Curvelo, é possível encontrá-lo em compotas ou em barras, tal como uma rapadura.

Já em Alto Belo, distrito de Bocaiúva, há uma competição para ver quem come mais pequi (cru) e uma premiação também para o maior pequi colhido. O do ano passado, com casca e tudo, chegou a impressionantes 1,5kg! Em Goiás, pode-se passar em Damianópolis, onde um doce de leite preparado com o óleo do pequi é simplesmente inesquecível.

Ainda na divisa goiana, em Crixás, noroeste do Estado, há também a celebração da fruta da estação. Tive o prazer de presenciar o Festival do Pequi em sua quinta edição, no último ano. No espaço da feira, diversas barraquinhas onde pratos típicos da culinária local eram recriados aproveitando o pequi. Em outro canto da cidade, uma oficina ensinava, a quem quisesse, requintadas e deliciosas receitas, tendo o fruto como principal ingrediente. No dia seguinte, desfile em comemoração ao festival e ao aniversário da cidade. Muitos carros alegóricos com crianças caracterizadas de bandeirantes, indígenas, mineradores, gente que colonizou aquela região. Quantos deles serão “filhos do pequi”?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s