[Poesia] Saci – Sinforoso Américo

Saci 3

Quando o vento remexe do terreiro
A poeira que nos ares rodopia,
De rosto empipocado, mas brejeiro,
O saci dá cambotas e assobia.

Apesar de perneta, o feiticeiro
Vive só a fazer estripulias:
Sova o pingo, desgalha o cafeeiro
E faz por toda parte uma arrelia

Não tem morada certa: é vagabundo
Expulso dos internos veio ao mundo,
Por ser demais perverso é malcriado.

E na terra onde vive por castigo,
Contando em cada canto um inimigo
Vai pagando de todos – o pecado.

(Em LOBATO, Monteiro. O saci-pererê; resultado de um inquérito. São Paulo: Globo, 2008. p.163)

Leia mais poesias sobre o saci:

O Saci – Joaquim Queiroz Filho
O Saci – Ulysses de Souza e Silva

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s