[Podcast] Popularium – O Rosto da Iara

Está no ar o mais um episódio do podcast que produzo para o Mundo Freak! Serão 10 episódios do Popularium publicados quinzenalmente, onde vamos abordar com profundidade mitos e lendas brasileiras. Neste programa, vamos falar da Iara como mito da violência eufemizada.

Confira o Popularium! Folclore brasileiro como você nunca ouviu.  Ouça aqui.

rostodaiara-vitrine-920x368

Essa história não se passa em uma cidadezinha desconhecida, daquelas onde a luz elétrica ainda teima em não alcançar. Também não aconteceu em uma noite de lua cheia, não ocorreu com algum amigo de um amigo meu, e nem se deu em uma época muito, muito distante.

Não, essa história aconteceu em uma praia em Intanhaém, no litoral sul de São Paulo. E foi lá, aos três anos de idade, que Ellen Sato viu pela primeira vez uma sereia. Era, na verdade,  uma pequena estátua, em frente a um quiosque de praia. Da beleza mítica da criatura restava muito pouco. O rosto da escultura, desfigurado pela ação dos vândalos, era quase inexistente. As cores há muito já haviam abandonado sua vasta cabeleira. Faltava um dos seios à estátua, mas o outro, resiliente, permanecia exposto como que em desafio. Uma cauda curta e reta finalizava a castigada imagem.

Ellen nunca havia ouvido falar em sereias até então, muito menos em seus poderes e sortilégios. Ainda assim, o encantamento aconteceu naquele dia. Para além de uma estátua depredada, Ellen sentiu algo mais. Algo que ela descreve como pura fascinação. Disse assim:

“Toda vez que eu ia para a praia eu precisava ver aquela estátua. Se eu não a visse, esperneava, chorava, berrava… Eu dizia: ‘mãe, eu quero ver aquela mulher. A mulher sem sutiã’”, lembra ela, deixando claro que não era apenas a cauda de peixe que lhe despertava a imaginação. “Eu era muito pequena, eu não tinha noção do que ela era. Mas toda vez que eu entrava no mar eu imaginava ser aquela figura” (COSTA, 2016).

Foi assim que começou o fascínio de Ellen pelos encantados do mar. Uma paixão que anos mais tarde a faria se tornar uma sereia profissional, com direito a cauda com nadadeira e uma rotina de treinos para se manter embaixo d’água o máximo de tempo possível.

A moça chegou até mesmo a aparecer no Fantástico em uma matéria sobre o sereismo, uma moda que tem atraído milhares de jovens pelo mundo todo. Morena de feições indígenas, olhos puxados e cabelo liso, Ellen é conhecida entre as praticantes de sereismo como a Sereia Iara, e tem muito orgulho de encontrar no folclore brasileiro a representatividade na figura de senhora das águas. No entanto, será mesmo este o rosto a Iara?

Neste programa, vamos dissecar o imaginário popular, refletindo sobre o que ele evoca no simbólico. Assim, veremos que estes mitos e lendas, em última instância, não dizem sobre monstros encantados, mas sobre nós mesmos. Eu sou Andriolli Costa e este é o Popularium.

Continue lendo o roteiro aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s