[#Saci100] Ulisses no País das Maravelhas – Uma odisseia genuinamente brasileira

ulisses-no-pais-das-maravelhas1-fc7cca94da8faf9d2f14992571330899-640-0

Texto da Revista Saci Pererê – 100 anos do Inquérito. Clique aqui para ler e baixar.

Por Egídio Trambaiolli Neto

Desde menino eu adorava ouvir histórias sobre sacis, diga-se de passagem, eu queria ter um amigo saci. Achava as traquinagens o máximo da molecagem. Obviamente, os demais personagens de nosso folclore acompanhavam as histórias em que o menino de uma perna só aprontava poucas e boas. Eles até poderiam aparecer no meu imaginário, mas o saci era presença garantida, folclore sem saci é o mesmo que sanduíche só com o pão.

O tempo passou, mas o saci nunca foi esquecido, até que depois de muitos e muitos anos, tive a ideia de “sacizar”, aprontar uma revolução em um conto que eu gosto muito: Alice no País das Maravilhas, cuja aparência nonsense na verdade é carregada de críticas sociais.

Coloquei tudo no tubo de ensaio do meu imaginário e criei Ulisses no País das Maravelhas, uma história também nonsense, mas emoldurada pelo folclore brasileiro e por elementos de nossa cultura, fauna, flora e contrastes sociais.

A primeira provocação foi dar um 360 na protagonista: no lugar de uma típica inglesinha, lourinha e de olhos azuis, um menino negro e brasileiro. O nome teria de ter sonoridade simlar, por isso, Alice virou Ulisses.

Os personagens que comporiam a obra também deveriam sofrer essa guinada, dessa forma, o Dodô foi substituído por um dinossauro baiano que dança axé, os gêmeos Tweedledee e Tweedledum deram lugar a uma dupla caipira, o arganaz cedeu seu espaço para um tamanduá, os serviçais de uma das rainhas da história são bonecos de Olinda, os cavalos são mulas sem cabeça e o Chapeleiro Maluco foi trocado por um Costureiro abilolado, entre tantos outros personagens. Mas, a cereja do bolo, melhor dizendo, as cerejas dos bolos são os sacis serelepes, num total de sete, mais o rei dos sacis. Vamos conhecê-los?

Asdrúbal – é o líder dos sacis, ele vive fazendo nós malucos nas gravatas, reza a lenda que ele inventou o nó dado nas gravatas. Asdrúbal é um bom líder, dá bons conselhos e ensina as traquinagens como ninguém. Ele conseguiu ter o status de líder de uma forma bem democrática, depois que venceu o desafio da corda-bamba: ele teve de atravessar um desfiladeiro andando… melhor, saltando sobre uma corda-bamba. Como se pode ver, é bem democrático, vai quem quer!

Bartolomeu – campeão mundial de arrotos. Segundo informações não oficiais, o arroto com que ele venceu o campeonato resultou em um tsunami que atravessou o Oceano Atlântico. Ele também foi responsabilizado por alguns terremotos de grandes proporções, por isso está proibido de tomar refrigerantes. Apesar de o arroto ser sua arma poderosa, ele também é conhecido por suas esculturas feitas em cera de ouvido, são fenomenais!

Casemiro – o saci inventor da turma, suas criações são espetaculares. Como exemplo, temos uma fabulosa máquina de lavar sovaco e o sugador vórtex de catota. A procura é imensa, mas Casemiro não gosta muito de construir novamente algo que ele já criou, por isso, é mais fácil vê-lo criando algo novo do que montando uma linha de produção. Atualmente Casemiro está criando uma cueca aromatizadora de flatulências, a pessoa solta seus gases que são filtrados e liberados na forma de aromas agradáveis, até agora ele não evoluiu muito na transformação dos odores, o melhor que conseguiu foi um cheiro de arroto de mortadela.

Demóstenes – um saci militar. Ele é o capitão do exército dos sacis, exímio cavaleiro, por isso,montou a melhor cavalaria de sacis… Apesar de estranho, os sacis conseguem montar seus cavalos e ainda deixá-los em posição rampante. Dizem até que o símbolo da Ferrari será modificado em breve, eles colocarão a silhueta de Demóstenes em seu cavalo no escudo, tamanho o respeito que tiveram pelo saci cavaleiro.

Eugênio – É o saci mais inteligente que se conhece. Ele vive formulando enigmas que revolucionam as Ciências e a Matemática. Todos os sacis acreditam que um dia ele será laureado com um Prêmio Nobel! O Teorema do Nó em Pingo d’água foi desenvolvido por Eugênio, assim como a Teoria da Ressonância do Cochilo com Baba, um primoroso trabalho que ele vem desenvolvendo desde que descobriu a origem das bolinhas de ranho no nariz dos bebês. Graças ao Eugênio os cientistas estudam sua Teoria do Resfriamento dos Vulcões com ventiladores para a redução do aquecimento global.

Ferdinando – o mais bagunceiro dos sacis, ele tem o sotaque rural do mineiro, ou como ele mesmo diz, do “mineirim”. Ele adora fazer guerras de bolo de fubá, assustar pombos para fazerem meleca na cabeça das pessoas ou nas roupas estendidas nos varais, puxar o cadarço das pessoas quando elas menos esperam e esconder os dentes que as crianças deixam para a Velha Caxuxa montar sua dentadura. O quê? Fada do Dente? Como ele mesmo diz: qui fada do dente, qui nada, sô! Quem pega us dentim é a Veia Caxuxa! Embora seja o mais traquina, ele também é um craque no jogo de futebol de sacis, faz cada golaço de bicicleta e dá cada pedalada que deixa qualquer um tonto.

Gumercindo – É o chef dos sacis, um mestre da culinária dos sacis. Seus bolos de minhoca são para peixe nenhum botar defeito. O pudim de lesma é de dar baba na boca! Não há mais gosmento! Quando uma receita que nós estamos acostumados a fazer não fica boa, pode ter certeza que Gumercindo andou incluindo ingredientes estranhos só para que ninguém faça algo mais gostoso que ele. Para os banquetes do Costureiro Maluco ele faz comidas que os humanos adoram, mas de vez em quando, arrisca umas maluquices.

O rei dos sacis – este personagem aparece no segundo livro da saga. Ele tem uma característica peculiar, ele coleciona sacos de risadas e almofadas peidofônicas. Ele é muito divertido, tudo para ele é brincadeira, aplica trotes, faz festas, conta piadas e tudo mais. Digamos que ele seja o rei do humor. Ele faz coisas como coar café na mão furada, tranças em cabelos do sovaco. Foi ele que inventou um liquidificador de rodamoinho e está montando uma fábrica para produzi-lo em escala. Em seu programa de regência tem a meta de montar uma fábrica de calçados para o pé direito e outra para o pé esquerdo. Recentemente ele decretou que os sacis deveriam trocar o cachimbo de fumo por um de bolha de sabão, e que os sacis não podem mentir, pois mentira tem perna curta e um saci com perna curta só teria meia perna. Seu nome é Cícero, mas gosta de ser chamado de Rei Sacícero. Todos os sacis o admiram e respeitam, mas isso não impede os sacis de aprontarem com ele também.

Como não deixaria de ser, os livros da saga de Ulisses: Ulisses no País das Maravelhas e Ulisses Através do Espelho (lançamento em 2017 pela Editora Uirapuru), são repletos de humor, mas também uma forte crítica à importação da cultura de outros países em detrimento à nossa riqueza folclórica e cultural.

——-

Egídio Trambaiolli Neto é graduado em Ciências, Matemática, Química e Pedagogia, trabalha como roteirista, escritor e editor. É autor de 640 obras literárias e diretor-presidente da Editora Uirapuru.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s