[#Saci100] Margareth Assis Marinho – Caça ao Saci

3f

Texto da Revista Saci Pererê – 100 anos do Inquérito. Clique aqui para ler e baixar.

Por Margareth Assis Marinho

Apesar de todo avanço tecnológico as superstições e os mitos, tão antigos, ainda têm lugar no mundo contemporâneo. Os mitos e monstros proliferam, tornando-se familiares, convivendo conosco nos cinemas, parques de diversão, na televisão, nos livros, brinquedos, jogos eletrônicos, enfim, invadindo o imaginário humano e alimentando-o.

Trabalhar com as histórias infantis atendem à necessidade infantil de fantasia. E pela mitologia brasileira é possível dar vazão a essa fantasia, pois ela é repleta de seres curiosos, exóticos, misteriosos, medrosos, assustadores, enfim, personagens e histórias que povoam o imaginário do adulto que, um dia criança, conheceu-os e jamais os esqueceu.

O imaginário infantil, por excelência, é o mais repleto dessa fantasia, pois esta compõe o seu desenvolvimento. A infância é uma etapa decisiva na formação da personalidade já que os padrões de comportamento que se estabelecem neste período, influirão por toda a vida.

O Saci Pererê é um personagem que carrega consigo muitas características que o aproxima das crianças. Ele é levado, brincalhão, curioso, esperto, inteligente, e, acima de tudo, poderoso. As histórias que permeiam sua criação – desde seu nascimento até sua morte – são envolventes e extraordinárias. Por isso é tão difícil acreditar que ele não existe. Mais fácil deixar-se levar pela fantasia e pelo imaginário, pois são alimentos da alma.

Que outra leitura poderia ser tão prazerosa que esta de sair de seu lugar comum, colocar mochila nas costas, lanterna nas mãos e asas à imaginação? Por estas razões e por ser o Saci Pererê um dos personagens mais conhecido na literatura oral brasileira, que abrimos em 2012 a primeira temporada de caça ao Saci.

O Projeto Caçada ao Saci acontece pela Biblioteca Municipal Murilo Mendes em parceria com o Museu Mariano Procópio de Juiz de Fora/MG. Até 2016 foram cinco temporadas, com mais de 30 caçadas noturnas no parque do Museu, com uma caminhada em torno do lago e procura pelo Saci que sempre aparece e surpreende a garotada. São momentos de história e vivência de leituras inesquecíveis que encantam não só as crianças, mas também os adultos que se tornam eternos caçadores de histórias.

—-

Margareth Marinho é autora de Dossiê Saci (2007) e Pé de Saci (2016). É Coordenadora de Projetos de Incentivo à Leitura na Biblioteca Municipal Murilo Mendes/Juiz de Fora-MG

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s