[#Saci100] Ronaldo Clipper – O agradável saci da Represa Billings

Billings_2008051703

Texto da Revista Saci Pererê – 100 anos do Inquérito. Clique aqui para ler e baixar.

Por Ronaldo Clipper

Meu pai e eu conhecemos um saci em uma insólita pescaria, na Represa Billings em São Paulo. Parecia um menino, negro, com uma perna só, cachimbo na boca, carapuça vermelha, com um sorriso maroto e astuto. Como nós tínhamos cachaça de Salinas e um fuminho de Arapiraca o bicho ficou amigo nosso e até nos presenteou com uma carapuça, um cachimbo, que guardamos até hoje.

O nome desse saci era Porã e pertencia a família dos Pererês. Ele disse que foi criado junto com o universo. Disse também que conhecia varias partes d, pois, com seu redemoinho, ele conseguia furar o espaço-tempo e parar em qualquer canto do universo.

Porã era do tipo falador, gostava de contar vários causos. Ele contou que uma vez fantasiou-se de São Benedito para pregar uma peça em alguns devotos do Santo. Quando a igreja estava vazia, entrou uma senhora, de uns 60 anos, para fazer orações. A senhora ajoelhou no oratório com rezas pedindo saúde, proteção e prosperidade.

Em um momento da oração, a mulher fazia desse modo “Ó meu São Benedito! Quero pedir que não falte pão…” O saci Porã, aproveito a oportunidade, disse “Quer pão Beata, então toma!” e deu uma “pãozada” na cabeça da mulher. A mulher se assustou e quando olhou para a imagem do Santo viu o saci Porã e se assustou ainda mais, chegando a urinar na roupa. Assim que pregou a peça, o saci Porã usou seu redemoinho espaço-tempo e se escafedeu rindo.

Depois de rirmos juntos, perguntei ao saci Porã: se ele era proibido de entrar em igrejas, como é que ele fez para entrar nessa? Ele disse que isso é boato e que é muito querido por Deus e, além disso, por ele ter espírito infantil, tem livre acesso ao reino dos céus. Chegou a citar até Jesus “Deixai vir a mim as crianças, não as impeçais, pois o Reino dos céus pertence aos que se tornam semelhantes a elas”.

Esse saci era sincretista e tolerante passava por todas as religiões. Gostava muito da Umbanda, dizia que era um culto alegre. Passava horas trocando ideias com o Preto Velho, pois este sempre tinha um fumo de oferenda. O saci Porã Pererê contou muitos outros causos, mas deixa para uma próxima oportunidade. Fica a dica para quem gosta de pescar. É sempre bom levar um fuminho bom e uma cachaça pra esse danado, para ele não aprontar suas traquinagens. Além disso, pode ganhar um bom amigo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s